Sobre

Fundado em: 31 de Janeiro de 1923.

Sócios Fundadores: Joaquim Gomes do Norte, José Vareda Júnior, José Ferreira Barroca, Luís António de Faria, David de Oliveira, Joaquim Henriques dos Santos, António Rodrigues Júnior, Firmino Rato, Benjamim Henriques, José Gaspar Pedroso Júnior, António Matos e José Florindo.

Historial

A finalidade da sua fundação foi a promoção do futebol, embora a prática de outras modalidades e sobretudo a agremiação da classe operária estivesse na mente dos seus fundadores. O ciclismo e o atletismo também chegaram a ser praticados no Clube.

Nos Estatutos, redigidos em 1923, pode ler-se o seguinte: “Artº 2º – O Sport Operário Marinhense (…) terá por fim: § 1º – promover o desenvolvimento e a prática de todos os Desportos, de um modo geral, e do Ping-Pong em especial, tendentes todos a concorrer para a Educação Física dos seus associados. § 2º – promover na sede social, no campo atlético ou noutros locais qualquer género de festas recreativas, desportivas ou culturais, para os sócios ou suas famílias. § 3º – sempre que as condições financeiras lho permitam, o S.O.M. deverá ter aulas de ginástica para os sócios e suas famílias. § 4º – procurar por todos os meios, e especialmente através de Bibliotecas, da realização de sessões culturais (conferências, palestras, lições, recitais e exposições, teatro, cinema, etc.), de funcionamento de aulas de instrução primária e de outras disciplinas, concorrer para a cultura e formação moral e social dos seus associados e famílias.”

A partir de 1930, dedicou-se somente a desportos de salão (ténis de mesa, bilhar e xadrez) e, principalmente, a uma secção cultural, que apesar  das perseguições políticas conseguiu criar uma biblioteca e dinamizar colóquios, palestras e cursos de francês e inglês.

Logo após a II Guerra passou a dedicar-se principalmente ao desenvolvimento cultural dos sócios.

A sua primeira sede social estava instalada num prédio dos Matos (hoje Avenida 1º de Maio). Em 1954 o clube alugou um salão para festas também na Avenida 1º de Maio (onde hoje é a fábrica de vidros Barbosa e Almeida) onde realizou teatro, saraus de música e bailes semanais. A sua sede social passara entretanto para um prédio da Rua Pereira Crespo, onde se manteve por pouco tempo, passando então para a Rua Alexandre Herculano onde se manteve até 1995, altura em que se mudou para as suas actuais instalações.

Na década de 40-50, adquiriu à Câmara Municipal uns terrenos situados no velho campo da Feira (junto à actual Avenida da Liberdade) com o intuito de aí construir um pavilhão-sede, o que nunca se viria a concretizar. Foram esses terrenos que permitiriam na década de 80 ao seu Presidente de então e grande dinamizador Dr. José Henriques Vareda, negociar com a Câmara e com a COVINA a posse das velhas instalações da Fábrica “dos Bengalas” e aí construir, mantendo a traça da velha fábrica, as suas instalações sociais.

De então para cá, consolidou-se como um clube de referência na Marinha Grande na promoção da cultura e do desporto. Tem em actividade os departamentos de Música, Dança, Movimento, Voleibol, Xadrez e Teatro e organiza regularmente exposições, conferências e debates sobre os mais variados temas.

Em 2014 abriu ao publico o renovado Auditório José Vareda oferecendo aos associados e à cidade uma sala de espectáculos e conferências de elevada qualidade.

 

Anúncios